10 março, 2008

Entrevista com o candidato ao Conselho Tutelar Gilson Julião


1 – QUE TRABALHO VOCÊ TEM REFERENTE À CRIANÇA E ADOLESCENTE?
Embora seja um jovem, tenho uma experiência com relação à criança e adolescente. Fazendo parte da UESCC (União dos Estudantes de Santa Cruz do Capibaribe) desde 2003, tendo sido presidente no período 2006/2007 onde desenvolvi vários trabalhos com os adolescentes a exemplo da fiscalização do direito a meia-entrada e a realização de vários projetos. Participei ativamente do Conselho Municipal de Direito da Criança e Adolescente (COMDECA) cobrando do poder público a liberação de recursos para que a as entidades não fossem penalizadas. Faço parte da Creche Alcançando Crianças Carentes que hoje atende mais de 50 crianças ajudando inclusive da construção da sede própria desta entidade. Além de ser professor, convivendo dia-a-dia com crianças e adolescente.

2 – QUAL SEU REAL INTERESSE EM SER CONSELHEIRO TUTELAR?
Continuar um trabalho que já desenvolvo, ampliando nosso trabalho. Até por que não sou um candidato de última hora ou que caiu de pára-quedas, tenho um trabalho já reconhecido pela população. Nosso interesse passa pela coletividade de vários seguimentos e participando de vários espaços importantes de Defesa dos Direitos das Crianças e Adolescentes.

3 – QUAL O PAPEL DE UM CONSELHEIRO, DE ACORDO COM SEU PONTO DE VISTA?
Tem o papel de zelar pelo fiel cumprimento do estatuto, defendendo os direitos da criança e do adolescente quando estes direitos são violados. Isto significa zelar para que a família, a comunidade, a sociedade em geral e o Estado – que têm a obrigação de respeitar e cumprir os direitos previstos na Lei Federal 8069/90 – Estatuto da Criança e Adolescente – de fato respeitem e cumpram estes direitos. Isto quer dizer o seguinte: se a criança precisa de creche e o adolescente de escola, a obrigação de cumprir esses direitos é da família, da sociedade e do Estado com o auxilio do Conselheiro Tutelar.

4 – QUE PESO NA DECISÃO DE CONCORRER AO CARGO TEM A REMUNERAÇÃO DE
R$1.040,00?

Entendo que, se o Conselheiro desenvolve de fato seu papel, esse salário não é nada mais que justo, pois todos os dias ele está disponível para o Conselho e tem que conviver com várias situações de perigo. Por outro lado sabemos que tem pessoas que só entram por causa do status ou um mero espaço para conseguir um salário que levando em consideração a maioria da população é bem maior que o normal. Quanto a mim não tenho esse problema, pois já faço um trabalho voluntário sem receber quantias em dinheiro, mas faço por acreditar na causa.

5 – COMENTA-SE QUE ALGUMAS PESSOAS PRETENDEM SE CANDIDATAR DESSA VEZ TÃO SOMENTE VISANDO UMA MAIOR VISIBILIDADE PARA CONCORRER A CARGOS POLITICOS EM SEGUIDA, ESSE É SEU CASO?
Isso é complicado, pois a eleição para o Conselho é muito diferente de uma para cargo político. Quem estiver levando por esse lado com certeza ira se dar mal, pois se você tem uma quantia considerada de votos para Conselheiro não quer dizer necessariamente que vai ter o mesmo êxito em outras eleições.

6 – COMO SERÁ SUA CAMPANHA?

Estou fazendo uma campanha levando em consideração uma base sólida que tenho devido ao acúmulo de atividades que já desenvolvi nas entidades que faço parte. Vamos para o diálogo com a população mostrando qual o real papel de um Conselheiro melhor que leve em consideração as demandas da sociedade, a fim de fazer um melhor CONSELHO.

7 – EXISTE ALGUM POLITICO TE APOIANDO NOS BASTIDORES, OU SEJA, GARANTINDO UMA BOA QUANTIDADE DE VOTOS?

Acho que ninguém tem votos em quantidade, o único voto que você pode garantir é o seu o de cada cidadão dessa cidade que vota 10, mas tenho um apoio amplo de vários seguimentos da sociedade, inclusive de políticos até por que, todos nós somos seres políticos como dizia Aristóteles.

8 – COMO É SEU RELACIONAMENTO COM OS OUTROS CANDIDATOS?
Tenho um bom relacionamento com todos, à disputa só ocorre na eleição, depois o objetivo é trabalhar em equipe e entendo que não posso gerar atritos desnecessários com os outros, pois iremos trabalhar junto por três anos e não existe situação pior do que trabalhar sem unidade.

9 – VOCÊ ACHA QUE ESSE CARGO DE CONSELHEIRO TUTELAR TOMOU CARACTERISTICAS DE ESTABILIDADE DE EMPREGO E É VISTO POR MUITOS DESSA FORMA E NÃO COMO TRABALHO DE DEDICAÇÃO?

Às vezes as pessoas entram por causa do salário, estabilidade ou por status, é tanto que quando questionada a história e vivência de alguns com criança e adolescente fica difícil essas pessoas desenvolverem um raciocínio que convença que está realmente com dedicação a causa.

10 – VOCE ACHA QUE OS PODERES (LEGISLATIVO E EXECUTIVO) AQUI EM SANTA CRUZ DESTINAM A DEVIDA IMPORTANCIA A CAUSA DA CRIANÇA E ADOLESCENTE?

Deixam muito a desejar, é tanto que o orçamento municipal na hora de sua elaboração pelo poder legislativo não consulta as entidades que trabalham com criança e adolescente e a prefeitura não executa como deveria ser de fato como manda a lei que é de 1% do orçamento geral do municipal. Quando membro do COMDECA cobrava esses repasses é tanto que devido a nossa luta e persistência foi preciso acionar o Ministério Público que moveu uma ação civil pública contra a prefeitura para que os repasses fossem feitos, mas nem assim o poder público cumpre o que manda a lei.

blog do Melqui

2 comentários:

Anônimo disse...

gilson é um jovem que tem um ótimo serviço prestado, na minha opinião ele é um dos melhores candidatos.

Augusto disse...

concordo que ele tem um ótimo serviço prestado, mas ainda é muito menino.