20 abril, 2006

Como se fazer uma revolução nos moldes de um estudante de uma FAFLESQUI

É interessante como algumas pessoas acham bonito a palavra oposição. Existem aqueles já antes do início da discussão já dizem, sou do contra, tá tudo errado. Muitas dessas pessoas, raramente dão idéias rumo ao desenvolvimento do grupo em que vivem, sendo taxados como pessoas sem pensamento, que por isso são oposição por não ter diálogo suficiente para se chegar ao ponto certo.

Faço OTIERID na "FAFLESQUI" como diria um grade jornalista amigo meu, falo bonito, não tenho idéias para somar, então vamos diminuir a nosso favor. Pobres mas como disse certa vez, se eles não podem aparecer intelectualmente aparecem com confusões bobas, articulando com aquela "barca de loucas" como é conhecido o veículo que transporta essas pessoas.

É fácil fazer revolução, assim começa...
Pega-se duas ou três pessoas que sabem lê e escrever relativamente bem (detalhe, estamos falando de universOTÁRIOS), chama-se umas duas "bicha boa" que saibam gritar, creio que todas elas sabem e começam a gritar, gesticular, e os outros bobos da corte acham tudo lindo: "Nossa como ele é inteligente" também falando para um monte de macacos. Cadê que ele vem se meter a inteligente com a minha tribo.

Pessoas pobres que pensam pequeno, agora não são pobres financeiramente, os danados tem dinheiro, afinal estão comprando um diploma né. São pobres de espírito, brigam por pouco, ou melhor por nada, mas não conseguirão espaço, pois a ignorância nunca vencerá a inteligência.

Repasse esse artigo, infelizmente, ou felizmente não tenho o e-mail de nenhum deles, mas quem sabe, sei lá talvez um de vocês tenha.

2 comentários:

Magali disse...

Gilberto, meus parabéns, esse artigo retrata uma certa realidade que eu creio que conheço. Vc escreveu o que muita gente sempre quis dizer.

Thonny Hill - Jornalista disse...

concordo plenamente. aparece muitos desse no nosso setor... vc sabe de quem falo... valeu pelo artigo!!!