25 julho, 2006

Se a carapuça lhe servir

O bom e velho editorial, voce diz sem dizer.

Nessa última edição do Correio Universitário (jornal que sou um dos fundadores e atual editor-chefe), foi produzido um editorial onde se falava a importância da imprensa comprometida com o público, com a verdade acima de tudo, e com a incessante luta pela imparcialidade.

Se falava no editorial que haviam jornais vendidos, onde havia um embate de valores e de verdades, até cheguei a um questionamento se a verdade não era uma só, mas nessa política de imprensa A e imprensa B não. Cada uma tem sua verdade, e para eles jornalísticamente é impossível se haver um ponto verdadeiro em comum, mas deixa pra lá.

Nesse editorial não foi citado o local onde acontecia isso (em todo Brasil) e nem nomes (prefiro continuar sem citá-los). O que é engraçado é que um "jornalista" de minha cidade se doeu, afirmou que foi um texto equivocado, que ele nunca tinha se vendido, que era um ato irresponsável de quem escreveu o texto, que não se pode fazer isso, que ele é "jornalista", que quando faz algo semelhante é em caráter de informe publicitário. Ainda perguntou se era específicamente para ele que o editorial tinha sido escrito.

O mais engraçado é que ele o "jornalista" disse "não que a carapuça esteja me servindo, mas eles deixaram solto no ar".

Preciso dizer mais alguma coisa após essa declaração?

Mas para não deixar solto de novo apenas digo: "se a carapuça lhe servir".



16 comentários:

Gisa disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Gisele disse...

Creio que se esse "profissional da informação" ficou tão doído com a matéria, ótima diga-se de passagem, é porque no mínimo ele se inclui no grupo de jornalistas vendidos e imparciais. Ou seja, aquelees que estão pouco se importando com o leitor, se importam apenas com seu sálario e em agradar os poderosos. Além do mais, o que é um jornalista sem autonomia, não é mesmo? Para esse tal deve ser um fator insignificante...

Anônimo disse...

Hanna

Oiii.Ñ se preocupe eu leio o correio Universitário , os assuntos abordados nele ñ se refere específicamente a esse ou a quele! Sabemos q existem a impresa marrom q levanta e derruba ao mesmo tempo, sabemos que existe ñ só na escrita como na falada , muitos jornalistas fazem intrevistas e com medo de ofender a esse partido ou aquele praticamente amputa sua intrevista, deixando seus leitores sem entender nada... Para mim em primeiro lugar estar o leitor segundo a ética de ser um bom jhornalista, aquele q ñ deve nada a ninguem .

Anônimo disse...

Valter

Sabemos q o Correio é 10. Que existem jornalistas vendidos, sabemo. Mas... Essa matéria A ou B ñ era motivo para alguem ficar ofendido mas sim de ficar esperto e ñ se deixar pegar de calça curta ou seja com a mão na potija ou até mesmo com a carapuça como a do Sasi bem vermelha. Um bom profissional tem que saber receber as palmas e as vaias ou seja as criticas de cabeça erguida.
Um grande abraço

Anônimo disse...

Ivonildo Neves
Oiii...
Já passei por isso. É triste e dolorido, de ver q por tão pouco um profissional se deixa conrromper e envolver em escandalos e ñ quer q seu nome seja estampado nos jornais, essa matéria "Se a carapuça lhe servir" ñ fala nome de ninguem ,se alguem se doer é porquer esssa carapuça do Sasi lhe caiu muito bem!
Um grande abraço.

Márcio S. Sobrinho disse...

hahaha,
olha o Correio fazendo estrago aí! :)

Léo Alves disse...

É a polêmica existe. Quem não tem culpa no cartório nem precisa se justificar. O jornalismo tem que ser pautado pela ética. Nada de receber favores de A ou B. Abs e em breve estaremos debatendo esse assunto em sala de aula.

LeNildo Ferreira disse...

Nesse caso parece q a carapuça coube direitinho... Abraçuuuuuusss

Anônimo disse...

eita Gilberto, tadinho desse "jornalista". Além de se encaixar perfeitamente no seu editorial, ainda se entregou. kkkkkkkkkkk

landa disse...

eita Gilberto, tadinho desse "jornalista". Além de se encaixar perfeitamente no seu editorial, ainda se entregou. kkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

que beleza. Acho que Gilberto não precisa dizer o nome deste "jornalista"; todo mundo sabe quem é. Na verdade eu o chamo de jabazeiro (sem aspas mesmo pois ele faz do Jabá político uma profissão). Ou acho que este cara deveria por uma nova sigla p/ seu jornal seria: DOM (Diário Oficial do Município) ao invés de usar as 10º 15º e 11º letras do alfabeto. Isso sem falar num outro que de tão comprometido com o poder público municipal tem seu jornal distribuido nas várias secretarias municipais. ISSO É QUE É INDEPENDÊNCIA JORNALISTICA HEHEHEHE.
(MÁRIO JÚNIOR, HISTORIADOR E LEITOR CRÍTICO)

Elaine Silva disse...

Oi, Gilberto!
Creio que a equipe do Correio não não tenha em nada se alterado em relação ao comentário surgido. Conhecemos a cidade na qual estamos e sabemos o nível de instrução de alguns comunicadores locais. Sabemos ainda que cada pessoa age conforme aquilo que lhe é conveniente. Não sei qual foi o comunicador, que erradamente se auto-denominou "jornalista", mas, sei que quem não tem envolvimento com história semelhante não se preocupou com o que estava sendo veiculado. A maior prova de falta de profissionalismo por parte do citado comunicador foi o fato de não aceitar a opinião de um editorial. Se ele concorda ou não com aquilo que está sendo dito é um fato, mas, o que deve haver é o devido respeito. É até bastante óbvio: se eu não me vendi, não mudei "abruptamente" de opinião, não tenho que preocupar-me com o referido editorial. Não vou condenar quem cometeu o ato ("mudou de lado"), mas, para tê-lo feito deve ter havido motivos suficiente para isso, então, imagino que esses motivos seriam de maior relevância que opiniões de terceiros.

Anônimo disse...

Geraldo Moura – Gilberto manjubinha que celeuma da gota serena esse editorial do Correio tá dando!!!!!!! Mas espero que continuem com essas discussões que vem a acrescentar na ética de nossa profissão. Espero que com isso, possamos num tempo não muito longínquo, ver uma Santa Cruz forte e combatente a profissionais sem ética, sejam eles graduados ou não, pois um diploma não influencia diretamente no caráter de um ser humano. Ou o cara é íntegro ou não é, isso é uma coisa que vem de berço e não da academia. Espero que Santa Cruz deixe de ser uma “Sucupira” onde Odoricos Paraguaçús pensem que o povo é papangú, aliás aqui não é Bezerros viu.... P.S. A título de informação, hoje em SCC, só existe um jornalista graduado e da terra atuando na área...adivinhem quem é????? Abraços a todos.
P.S. do p.s – To doido pra levar meu 1º processo....rsrsrsrs.

Anônimo disse...

Társsia Fernanda

Pois é Gilberto, mais uma vez o Correio publicou algo q não satisfez algumas pessoas. Pq será??? hehehehehehe
Acredito q seja pq tds q o fazem aprenderam direitinho e têm como principio fundamental norteando seus trabalhos, uma certa lição q diz q qndo nos propomos a relatar um fato devemos fazê-lo da forma mais imparcial possível.

E qnto ao " jornalista " q se incomodou com o editorial, sinceramente, era melhor q ele tivesse ficado calado, afinal de contas, numa linguagem mais da minha área, ele produziu provas contra si mesmo... hehehehehehehe

E vamos continuar incomodando, pois qnto mais se incomoda, mais mudança se tem!!!

Gilberto Silva disse...

Ilmos Companheiros fico grato a todos os comentários, são vocês que me impulssionam a postar cada vez mais.

Em relação ao editorial apenas digo, é por isso que amo o jornalismo.

Anônimo disse...

A carapuça serviu e como !