18 junho, 2009

A derrota da educação

Não ser obrigatório o diploma no caso dos jornalistas é mais uma derrota da educação... Pra que passar quatro anos na faculdade, se a partir de agora qualquer um é jornalista? É um absurdo... Mas são coisas que acontecem.

Na verdade... não vai mudar muita coisa, muitos batem no peito e dizem “sou jornalista” e na verdade são irresponsáveis e agressores.

Existe uma diferença entre querer e ser jornalista. Muitos querem... mas poucos são.
Particularmente não me preocupo, não precisei que um MINISTRO diga que sou jornalista, estudei, passei no vestibular, estagiei, me formei, estou no mercado de trabalho e atualmente estou fazendo pós-graduação em mídia e assessoria.

O mercado está abarrotado de jornalistas, advogados, médicos, pedreiros etc. Mas quem se destaca é quem é capacitado, quem trabalha com transparência e responsabilidade.

Apesar da educação ter perdido (afinal estamos no Brasil) não mudou muita coisa.

Gilberto Silva Jornalista formado pela UEPB, especializando em Mídia e Assessoria
DRT – PE 4350 (conquistado, não comprado)

5 comentários:

yhamirian disse...

Pois é, dizem que não precisamos de diploma por não lidarmos com o risco de morte. Sim ou não o que me dizem?
Bom eu me recordo de um caso envolvendo risco de morte, então eu relato:
"um determinado jornal publicou uma matéria sobre um estúpro que havia acontecido nesta cidade. Por conta de um "jornalista" (não me recordo se era, mas no fim que importa???) que não averiguou a veracidade da noticia um homem inocente foi preso (até aí, nada demais!!!!)mas o homem que sabia ser inocente, suicidou-se."
E aí? Só porque não pegamos em um bisturí, não quer dizer que não lidamos com vidas e com riscos de morte!
Pô, coloca a mão na consciência, ah não melhor, coloca qualquer um que a mão de obra vai baratear e talvez a qualidade também!
Yhamirian Gabriely - Fazendo a bomba da monografia!!!!

Betto Aragão disse...

Eu fiquei horrorizado com essa decisão do Supremo Tribunal Federal, contudo já era de se esperar, pois em uma nação cujo seu chefe maior critica a imprensa por fazer o ser trabalho, investigando denúncias relativas ao Presidente do Senado. Em relação ao diploma creio que seja necessário sim, pois somos relatadores do processo histórico atual. Tudo o que se passa atualmente, os fatos mais relevantes, lá está o jornalista levando ao conhecimento da sociedade. Dizer que a obrigatoriedade do diploma fere a constituição, como relatou o presidente da corte, o ministro Gilmar mendes, a mim não convence. Estou chocado com os acontecimentos do meu Brasil! Nós jornalistas sofremos mais um retrocesso!

yhamirian disse...

Ah, esqueci de falar sobre ética.
Mas afinal de contas pra quê ne?, o Brasil é muito ético.
Concordo com o amigo acima!

UP! disse...

É... o Brasil é assim... tem dessas coisas. Mas como vc falou e como falei no meu também, o que nos resta agora é fazer a diferença em qualidade, mostrando que não estudamos teorias, técnicas e praticamos à toa.

Anônimo disse...

A alegação, nada convincente por sinal, de alguns ministros como o Cezar Peluso, por exemplo, é de que fatos parecidos em outros países deram mostras de que o jornalismo sempre pôde ser bem exercido sem qualquer exigência de curso de nível superior.Vencido no julgamento, o ministro Marco Aurélio Mello afirmou que o jornalista deveria ter uma formação básica que viabilize a atividade profissional, que repercute na vida do cidadão em geral.

Cabe uma reflexão, será que um desses ministros aceitaria ser atendidos por um cirurgião sem formação adequada? Ou você teria coragem de ser defendido por um advogado sem curso superior e sem a aprovação da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil)?

Porque podem reclamar dizer que não é a mesma coisa, mas nada convence de que não seja. Pois da mesma forma que a medicina e o direito exigem a formação acadêmica e cursos de aperfeiçoamento e reciclagem, o jornalismo e mais ainda o publico (leitores, ouvintes e telespectadores) merecem ter o devido respeito, ética e profissionalismo.

Essa vulgarização do jornalismo abre espaço para que alguns ditos ´´jornalistas`` atuem de forma sórdida, inescrupulosa e baixa. Fazendo assim com que as pessoas generalizem quando alguma atitude abominável e ante-profissional for executada por esses pesudocomunicadores.

-
JORNALISTA SO COM DIPLOMA, NAO VAMOS TRANSFORMAR A COMUNICAÇÃO EM UM BORDEL, ONDE QUALQUER UM CHEGA E SE METE.

Melqui Lima- Estudantde do 4º ano de Comunicação Social da UEPB- Radialista, comunicador e futuro jornalista.